A história de David Coulthard…
11 Agosto 2014 - José Soares da Costa

Durante 15 anos, o escocês David Coulthard fez parte do restrito lote de pilotos de Grande Prémios, integrando equipas de topo como a Williams, Mclaren e Red Bull. Durante este período, Coulthard conquistou 13 vitórias e tornou-se numa das referências a seguir no paddock da Fórmula 1. O ex-piloto integra actualmente o staff da BBC Sports e do The Daily Telegraph, contribuindo para a cobertura da F1 em solo britânico. Descubra como tudo começou…

Foi aos 11 anos de idade, nos karts, que o pequeno David Coulthard iniciou a sua caminhada rumo à Fórmula 1. Ao longo de 6 anos, Coulthard aperfeiçoou a sua técnica nos campeonatos regionais, saltando para os Formula Ford 1600 em 1989. Com a vitória nesse campeonato logo no ano de estreia, Coulthard conquistou também o McLaren/Autosport Young Driver of the Year Award, prémio atribuído pela primeira vez em 1989.

Em 1990, uma perna partida em Spa-Francorchamps acabaria por hipotecar toda a época na Formula Opel Lotus Euroseries e na Formula Vauxhall. No entanto, o ponto alto desse ano viria do teste de um F1, efectuado com o apoio da britânica Mclaren. No ano seguinte, Coulthard conquistou a vitória no Malboro Masters e no Grande Prémio de Macau, as duas referências na Fórmula 3. O 2º lugar na Fórmula 3000 em 1992, seguido por um 3º lugar na mesma categoria na época seguinte, seriam suficientes para conquistar um lugar como piloto de testes na equipa Williams.

A morte de Ayrton Senna em 1994 seria decisivo no rumo da carreira de David Coulthard. O piloto escocês seria promovido no seio da escuderia britânica, ocupando o 2º FW16 ao longo de 8 fim de semanas de Grande Prémios. Em 1995, apesar de ter demonstrado interesse numa mudança para a Mclaren, Coulthard acabaria por cumprir a temporada ao volante de um Williams FW17. Conquistando 5 pole positions ao longo do ano, a sua primeira vitória acabaria por surgir no Grande Prémio de Portugal.

Em 1996, Coulthard mudava-se de armas e bagagens para a Mclaren, partilhando as boxes com o finlandês Mika Hakkinen. Com uma temporada inicial desastrosa devido à pouca competitividade dos monolugares britânicos, Coulthard terminaria a época seguinte no 3º lugar. Em 1998, a Mclaren bateu a concorrência e David Coulthard alcançou a 2ª posição no final do ano, sendo no entanto batido pelo seu companheiro de equipa Mika Hakkinen. Em 1999, Hakkinen repetia o feito e Coulthard, sem a sorte do seu colega finlandês, terminaria apenas na 4ª posição.

Com o virar do século, Coulthard, Schumacher e Hakkinen permaneciam na luta pelo título de pilotos. Mas acabaria por ser o piloto germânico a vencer em 2000, deixando o piloto britânico na 3ª posição. Em 2001, Coulthard voltava à carga mas a dupla Michael Schumacher/Ferrari eram imbatíveis. Com pouco mais de metade dos pontos de Schumacher (65 contra 123 do alemão), a 2ª posição foi o melhor resultado possível para David Coulthard. Após mais três temporadas sem resultados de relevo, o piloto britânico saía pela porta pequena da Mclaren, encontrando refúgio na austríaca Red Bull, equipa criada a partir da defunta Jaguar Racing.

Fazendo a travessia do deserto ao longo de 2005 e 2006, épocas onde teve Christian Klien e Vitantonio Liuzzi como companheiros de equipa, a entrada de Adrian Newey em 2007 foi um marco decisivo para David Coulthard. O génio do engenheiro britânico contribuiu para a subida de forma da Red Bull em 2007 e Coulthard aproveitou da melhor forma os avanços técnicos realizados pela equipa, conquistando pontos nos Grande Prémios de Espanha, Hungria, Japão, China e Bahrain. 2008 seria a sua última temporada como piloto de Fórmula 1, conquistando o seu derradeiro pódio no Grande Prémio do Canadá.

Após várias temporadas ao volante de um Fórmula 1, David Coulthard transitou para o papel de comentador desportivo da BBC Sport em 2009, função que ainda hoje desempenha na emissora britânica, juntamente com a sua coluna no “The Daily Telegraph”. Coulthard efectuou ainda um breve regresso à competição automóvel entre 2010 e 2012, representando as cores da Mercedes no competitivo DTM.