Caterham F1 confirma venda
2 Julho 2014 - José Soares da Costa

Foi finalmente confirmada a venda da equipa Caterham Formula 1 a um consórcio composto por investidores oriundos da Suiça e do Médio Oriente, sob aconselhamento do holandês Colin Kolles. A equipa sofrerá algumas alterações imediatas no seu dia-a-dia, fruto da saída do chefe de equipa Cyril Abiteboul e da entrada de Christian Albers para essa mesma posição. A sede permanecerá em Leafield.

Após diversos rumores que indicavam que a equipa Caterham F1 encontrava-se à venda, foi finalmente confirmado o negócio que assegurará a sobrevivência da equipa a curto prazo. Tony Fernandes, anterior dono da equipa, encontrava-se descontente com a Fórmula 1 e pretendia abandonar a categoria antes do final de 2014 para se dedicar ao seu novo projecto com o clube de futebol Queens Park Rangers.

Uma proposta apresentada por um consórcio de investidores oriundos da Suíça e do Médio Oriente foi finalmente escolhida, tendo o negócio sido formalmente anunciado através de um comunicado de imprensa. Christian Albers entrará na equipa com novas responsabilidades, substituindo Cyril Abiteboul no cargo de chefe de equipa. O antigo piloto holandês terá a seu lado Manfredi Ravetto, antigo membro da defunta HRT.

Tendo sido criada em 2010 após o concurso lançado pela FIA para a entrada de novas formações na Fórmula 1, a equipa inglesa foi alvo de controvérsia ao adoptar o nome Lotus, gerando um debate quanto à utilização da marca nos monolugares de Fórmula 1. Com a sua renomeação para Caterham em 2012 e uma subida de forma, a equipa rapidamente superou os seus rivais da Virgin e HRT.

No entanto, as últimas duas temporadas têm sido marcadas pelos fracos resultados e pela entrada em cena de pilotos pagantes. A última posição no Campeonato de Construtores e o inevitável desencanto de Tony Fernandes com a categoria máxima do desportos motorizados terão sido as principais razões para este inevitável desfecho.