Nico Rosberg domina em Monte Carlo
26 Maio 2014 - José Soares da Costa

Nico Rosberg regressou ao comando do Campeonato de Pilotos da Fórmula 1 após ter conquistado a sua 2ª vitória na temporada de 2014. O triunfo em Monte Carlo encerrou um fim de semana marcado pela tensão no seio da Mercedes, motivada por um suposto erro de Rosberg na derradeira sessão de qualificação. Lewis Hamilton e Daniel Ricciardo completaram o pódio no Principado.

Com a disputa do título de Pilotos a ficar praticamente entregue aos dois pilotos da equipa Mercedes AMG Petronas, dada a evidente superioridade técnica do Mercedes W05, a tensão entre os antigos amigos Lewis Hamilton e Nico Rosberg atingiu níveis nunca vistos até agora.

A apenas 2 minutos do final da 3ª sessão de qualificação e numa altura em que se encontrava na pole position, Nico Rosberg errou na abordagem à curva Mirabeau e foi forçado a sair pela escapatória. Tal como é hábito no Mónaco, esta situação obrigou à apresentação de bandeiras amarelas, encerrando assim qualquer disputa pela pole position.

Lewis Hamilton, que na altura se encontrava numa volta bastante rápida, foi forçado a abortar a sua tentativa e começar a prova a partir da 2ª posição. Muitos recordaram um incidente semelhante, protagonizado por Michael Schumacher em 2006 neste mesmo circuito. Os comissários investigaram exaustivamente o erro de Nico Rosberg, mas optaram por não atribuir uma penalização ao piloto alemão.

Devido a esta situação e às declarações proferidas por Lewis Hamilton na manhã de Domingo, a tensão no seio da Mercedes estava ao rubro no arranque do Grande Prémio do Mónaco. No entanto, Nico Rosberg sacudiu a pressão e efectuou um arranque perfeito, liderando a prova desde o seu arranque. Lewis Hamilton não teve qualquer hipótese de contrariar o seu colega de equipa e os dois iniciaram o seu duelo particular.

Atrás dos dois pilotos da Mercedes encontrava-se Kimi Raikkonen, autor de um espectacular arranque onde ultrapassou Fernando Alonso e Sebastien Vettel. O piloto alemão seria mesmo um dos protagonistas deste arranque, devido aos problemas mecânicos sentidos no Red Bull RB10. Vettel seria obrigado a parar nas boxes, sem que a equipa conseguisse resolver a situação. O abandono do piloto alemão acabaria por ser a solução encontrada pela Red Bull.

Sérgio Pérez abandonaria ainda na 1ª volta, depois de ter sido tocado por Jenson Button. O Safety Car foi chamado a intervir, tendo a corrida sido retomada na 3ª volta. Nico Rosberg e Lewis Hamilton voltaram a distanciar-se de Daniel Ricciardo, o 3º classificado. Raikkonen e Alonso seguiam atrás do piloto australiano, na 4ª e 5ª posição respectivamente.

O Safety Car viria a entrar novamente em pista à 27ª volta, devido ao acidente protagonizado por Adrian Sutil à saída do Túnel. Todos os pilotos, com excepção de Felipe Massa, efectuaram a sua troca de pneus (Super-Macios para Macios) durante este periodo. Raikkonen seria obrigado a uma paragem suplementar nas boxes, depois de ter sofrido um toque do Marussia de Max Chilton.

As posições não se alterariam após mais um recomeço da corrida e apenas na 67ª volta surgiria um factor inesperado e decisivo na luta pelo triunfo. Lewis Hamilton queixou-se de dificuldades de visão no seu olho esquerdo, que o fizeram perder cerca de 9 segundos relativamente a Rosberg até ao final da prova. O piloto inglês seria mesmo pressionado por Daniel Ricciardo no final da corrida, mas terminaria mesmo assim na 2ª posição.

Nico Rosberg, atento ao que se passava com Lewis Hamilton e imune a qualquer tipo  de problema, conquistou o seu 2º triunfo em 2014. Com este resultado, Nico Rosberg ultrapassou Hamilton na tabela classificativa e retomou a liderança do Campeonato de Pilotos. Daniel Ricciardo, na 3ª posição, deu uma pequena alegria à Red Bull após a curta e complicada prova de Sebastien Vettel.

Fernando Alonso foi o 4º classificado, beneficiando dos problemas de Kimi Raikkonen durante a última aparição do Safety Car. O piloto espanhol terminaria a 22 segundos de Daniel Ricciardo, protagonizando uma prova consistente ao volante do seu Ferrari F14T. Nico Hulkenberg foi o único Force India a terminar a prova, desta feita na 5ª posição. Jenson Button, 6º classificado, foi o melhor representante da Mclaren no Principado, batendo o Martini Racing Williams de Felipe Massa.

Romain Grojsean levou o seu Lotus à 8ª posição, enquanto que no 9º lugar terminou um surpreendente Jules Bianchi, ao volante do Marussia. Mesmo com um “Stop and Go” de 5 segundos, o piloto francês beneficiou de um desentendimento entre Kevin Magnussen e Kimi Raikkonen para alcançar este resultado. No derradeiro lugar pontuável terminou o Mclaren do dinamarquês Kevin Magnussen

No Campeonato de Pilotos, Nico Rosberg lidera com 122 pontos, mais 4 do que Lewis Hamilton. Na 3ª posição encontra-se Fernando Alonso, com 61 pontos. Relativamente ao Campeonato de Construtores, a Mercedes lidera com 240 pontos, mais 41 que a Red Bull. O 3º lugar é ocupado pela Ferrari, que conta com 78 pontos.