Porsche 919 estreia-se nas vitórias!
1 Dezembro 2014 - José Soares da Costa

Em São Paulo, a Porsche regressou aos triunfos no Campeonato do Mundo de Resistência após a sua última vitória em Dijon, à 25 anos atrás. A Toyota saiu de Interlagos com o título de Construtores, culminando da melhor forma uma época de sonho. No entanto, tudo passaria para 2º plano devido ao violento acidente de Mark Webber na derradeira meia hora de prova, felizmente sem consequências físicas para o piloto australiano.

As 6 Horas de São Paulo ficaram marcadas pelo intenso duelo entre os dois Porsche 919 e o Toyota TS040 de Anthony Davidson e Sébastien Buémi. O Porsche 919 Hybrid nº20 dominou a primeira metade da prova, mas seria o Porsche nº14 a levar a melhor na derradeira fase da corrida. Enquanto isso, o Toyota TS040 Hybrid nº8 trocava de posições com as viaturas de Zuffenhausen durante as paragens nas boxes, forçando a reacção da ofensiva germânica.

Na última passagem pela via das boxes, a Porsche arriscou tudo e não trocou os pneus do 919 nº14. Ao fazer isto, a viatura pilotada por Neel Jani saltou para a liderança da prova e contrariou a estratégia do Toyota nº8, que iria terminar a prova com um conjunto de pneus novos e um andamento claramente mais rápido. A luta pela vitória estava ao rubro quando, a 26 minutos do final da prova, Mark Webber embateu nas barreiras de betão de Interlagos.

Na longa recta de acesso à meta, o piloto australiano perdeu o controlo do Porsche 919 Hybrid e embateu precisamente no mesmo local onde, em 2003, já havia sofrido um violento acidente ao volante de um Jaguar F1, durante o GP do Brasil. O Porsche 919 Hybrid embateu ainda no Ferrari 458 Italia de Matteo Cressoni, projectando-o contra as barreiras de betão.

A viatura germânica partiu-se ao meio, tendo resistido ao impacto e protegido eficazmente o seu ocupante. Mark Webber foi evacuado para o hospital mais próximo, mas acabaria por acenar ao público, confirmando que estava bem apesar do grande susto. A entrada do Safety Car para uma longa remoção dos detritos acabaria por encerrar a discussão pelo triunfo: o director de prova Eduardo Freitas optou pela conclusão da prova atrás da viatura de segurança. Neel Jani, Romain Dumas e Marc Lieb eram os vencedores em Interlagos.

A Porsche alcançou assim o seu primeiro triunfo no Campeonato do Mundo de Resistência desde 1989, em Dijon, com um Porsche 962. Quanto à Toyota, conquistou o primeiro título internacional desde a sua passagem pelo WRC, em 1998. Com o resultado alcançado, todos os construtores sairam felizes de Interlagos: a Porsche alcançou o seu 1º triunfo no ano de regresso à categoria máxima da Resistência, a Toyota levou para casa os dois títulos em disputa e a Audi viu Tom Kristensen retirar-se com um derradeiro pódio, encerrando de forma brilhante uma carreira fabulosa.

Entre os LMP2, Sergey Zlobin sagrou-se Campeão da categoria. Zlobin partilhou o volante do ORECA Nissan da SMP Racing com Maurizio Mediani e Nicolas Minassian. Uma falha de travões do Ligier JS P2, quando Olivier Pla estava ao volante, acabaria por entregar o título ao piloto russo. O triunfo nesta prova foi alcançado pelo ORECA Nissan da KCMG, partilhado por Alex Imperatori, Matt Howson e Richard Bradley.

Entre os GTE-Pro, Stefan Mucke e Darren Turner levaram a Aston Martin à vitória. O título de equipas seria conquistado pela AF Corse e a Ferrari levou para casa a Taça de Construtores de GT. Nos GTE-Am, Pedro Lamy, Christoffer Nygaard e Paul Dalla Lana foram os vencedores em São Paulo, liderando desde cedo ao volante do Aston Martin V8 Vantage.