Recordando Roland Ratzenberger
30 Abril 2014 - José Soares da Costa

Completam-se hoje 20 anos sobre o trágico desaparecimento do piloto austríaco Roland Ratzenberger, durante a 2ª sessão de qualificação para o Grande Prémio de São Marino. Um piloto que ascendeu à F1 a pulso, relativamente tarde, mas cujo talento poderia tê-lo levado a outros vôos. No entanto, a curva Villeneuve viria a ditar o fim da sua humilde história.

Roland Ratzenberger iniciou tarde a sua carreira automobilística, apenas em 1983, mas não tardou a dar nas vistas. Perante adversários de relevo, venceu o Festival Europeu de Fórmula Ford em 1986, disputado no circuito de Brands Hatch. Com este feito, Ratzenberger conquistou um lugar num BMW M3 oficial para o Campeonato Europeu de Turismo de 1987, programa que conciliou com uma temporada na Fórmula 3. Com resultados modestos nos dois campeonatos, o piloto austríaco ascendeu à Fórmula 3000 em 1989 e conquistou o 3º lugar no final dessa temporada.

Nesse mesmo ano, Roland Ratzenberger participou pela 1ª vez nas 24 Horas de Le Mans, ao volante de um Porsche 962C inscrito pela Brun Motorsport. Partilhando a viatura germânica com Walter Lechner e Maurizio Sandro Sala, a tripla viria a abandonar na 3ª hora de prova.

Em 1990, Ratzenberger mudou-se para o Japão, onde participou no Campeonato Japonês de Sport Protótipos com a equipa oficial SARD Toyota. Sob a alçada do construtor japonês, Ratzenberger repetiu a participação nas 24 Horas de Le Mans. Além disto, participou também no Campeonato Japonês de Turismos, com um BMW M3. Em 1992 e 1993, o piloto austríaco transitou para a Fórmula Nippon, conquistando duas vitórias ao volante do Lola da equipa Stellar,  logo na sua 1ª temporada.

O salto para a Fórmula 1 deu-se em 1994, graças a um contrato assinado com a MTV Simtek-Ford para um total de 5 corridas. Tendo falhado a qualificação para o Grande Prémio do Brasil, Ratzenberger logrou terminar o Grande Prémio do Pacífico na 11ª posição. Na qualificação para o Grande Prémio de São Marino, o MTV Simtek-Ford de Roland Ratzenberger perdeu a asa dianteira e saiu de frente na curva Villeneuve. embatendo a mais de 300 km/h no muro de cimento que ladeava o circuito.

Aos 33 anos, terminava tragicamente a história do simpático piloto austríaco. A primeira fatalidade na Fórmula 1 desde a morte de Ricardo Paletti, no Grande Prémio do Canadá de 1982.